Mudamos de endereço! Você agora está visitando o OCRC em https://ocrc.org.br/

O que fazemos

Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidades – CEPID OCRC

A obesidade é uma das doenças com maior prevalência no planeta. Seu desenvolvimento decorre da associação entre o consumo de dietas hipercalóricas e o sedentarismo, ambos agindo sobre um genótipo favorável. Intuitivamente, pessoas obesas ou com sobrepeso, quando submetidas a abordagens comportamentais que teriam por objetivo reduzir o aporte calórico da dieta e aumentar o gasto energético pela prática de atividade física deveriam perder peso e ser capazes de mantê-lo em níveis compatíveis com uma vida saudável. Entretanto, estudos populacionais realizados em diversas regiões revelam que, invariavelmente, pessoas submetidas a tais procedimentos perdem pouco peso e voltam a recuperá-lo algum tempo após o início do tratamento.

Pesquisas indicam que a razão para a recorrência da obesidade é o desenvolvimento de um dano no sistema de neurônios que controlam a fome e o gasto energético. As gorduras saturadas, presentes em grande quantidade nas dietas contemporâneas, estão entre os responsáveis por tal dano ao ativarem uma resposta inflamatória no hipotálamo, região do cérebro onde se localizam os principais neurônios envolvidos na regulação do balanço energético do organismo. Uma vez danificado o sistema, o organismo perde a capacidade de manter o equilíbrio entre o consumo de calorias na dieta e o seu gasto energético global, entrando assim num estado de balanço energético positivo que resulta no ganho de peso.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), doença é definida como qualquer condição que leve a perda funcional ou estrutural de órgãos, tecidos ou células, resultando em comprometimento da qualidade ou quantidade de vida ou ainda em alterações da saúde mental. A obesidade é uma doença pois preenche todos os critérios definidos pela OMS, afetando órgãos como por exemplo o fígado e o coração; tecidos, como o próprio tecido adiposo; e células, como os neurônios do hipotálamo. Tais danos podem resultar em perdas na qualidade de vida ao afetarem a mobilidade, a função hepática, a função cardíaca, a função renal, o metabolismo açúcares, entre outros, levando a um aumento da probabilidade de morte precoce. Por fim, estudos mostram ainda que pacientes obesos tem maior probabilidade de desenvolver alterações comportamentais e neurológicas, como depressão, doença de Parkinson e Doença de Alzheimer.

Existem hoje mais de 600 milhões de pessoas com obesidade no mundo. No Brasil são mais de 40 milhões. Por causa das complicações médicas associadas à obesidade, as pessoas acometidas pela doença perdem mais dias de trabalho e necessitam, com maior frequência, da atenção de equipes de saúde gerando assim custos para o sistemas de saúde público e privado. De acordo com um estudo internacional realizado pelo McKinsey  Global Institute (https://www.mckinsey.com), o Brasil gasta 2,4% de seu PIB com obesidade ou doenças associadas à obesidade. Tais gastos tem retorno social e econômico limitado uma vez que, como exposto acima, a obesidade é recorrente e raramente pacientes submetidos a abordagens terapêuticas são definitivamente curados. Infelizmente, como não existem até o momento abordagens preventivas e terapêuticas eficientes, estima-se que dentro de pouco mais de cinco anos, mais de 1,2 bilhões de pessoas serão obesas no mundo, enquanto que no Brasil o número deverá chegar a 60 milhões, aumentando consideravelmente os custos econômicos e sociais.

O Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidades (OCRC), financiado pela FAPESP e composto por mais de 80 pesquisadores, pós-doutorandos e alunos da UNICAMP, USP, UNESP E UNIFESP trabalha a seis anos na busca por soluções mais eficientes para prevenir e tratar a obesidade e as principais doenças associadas a ela, tais como: diabetes, hipertensão, aterosclerose, doença cardiovascular, insuficiência renal, e doenças comportamentais, entre outras. Para tal, o grupo é composto por alguns dos mais produtivos pesquisadores do Brasil e lança mão de estratégias científicas e educacionais para produzir e difundir conhecimento que contribua, numa escala global, para contenção e reversão do avanço da obesidade.

As ações do OCRC tem por base quatro eixos que são executados de forma integrada, e ao longo dos primeiros seis anos de sua existência resultaram em avanços consideráveis nas áreas de ciência, tecnologia, formação de profissionais e difusão e educação de membros da sociedade.

A produção científica consitui-se no eixo maior das ações do OCRC. Ao longo de seis anos, pesquisadores do OCRC produziram mais de 500 artigos científicos publicados em importantes periódicos internacionais. A qualidade global de tais artigos pode ser medida pelo número de vezes que foram citados por outras publicações; uma vez que citações indicam que um determinado artigo impactou de alguma forma na produção subsequente de mais conhecimento. No geral, artigos do OCRC foram citados mais de 9.500 vezes, proporcionando uma média de 20 citações por artigo. De acordo com Bornmann, especialista em métrica científica do Instituo Max Planck, Munique (DOI: 10.1093/reseval/rvu002) artigos na área de ciências da saúde podem ser considerados altamente citados (highly cited) se atingem pelo menos 16 citações em 3 anos. Alguns artigos publicados pelo OCRC ao longo deste período podem ser destacados pela sua relevância indiscutível no avanço incorporado à sua área de conhecimento. Otavio Coelho-Filho e colaboradores desenvolveram um método não invasivo de imagem por ressonância eletromagnética que permite detectar alterações bastante precoces da estrutura do coração em pessoas com hipertensão e obesidade (DOI:10.1161/CIRCULATIONAHA.112. 000438). Tal método oferece ao médico a oportunidade de implementar um tratamento mais precoce que pode diminuir o risco cardiovascular do paciente. Este artigo tem 67 citações (Junho, 2019). Carla Nunez e colaboradores descreveram alterações numa importante função das células do tecido adiposo, chamada autofagia, que pode abrir perspectivas para criação de novas formas de tratamento para a obesidade (DOI:10.1038/ijo.2013.27). Este artigo tem 76 citações (Junho de 2019). Raquel Leal e colaboradores identificaram marcadores que indicam má resposta terapêutica em pacientes com Doença de Crohn, contribuindo para uma melhor tomada de decisão terapêutica por parte do médico (DOI:10.1136/gutjnl-2013-306518). Este artigo tem 62 citações (Junho de 2019).

A formação de recursos humanos também ocupa posição de destaque entre as ações do OCRC. Ao longo de seis anos foram formados mais de 150 profissionais que receberam títulos de mestre e doutor pelas universidades públicas que compõem o OCRC. Além disso mais de 80 profissionais foram treinados nos programas de pós-doutorado oferecidos pelo Centro. Vários destes profissionais integram hoje o corpo docente ou atuam como pesquisadores em instituições públicas e privadas do Brasil, assim como renomadas instituições de ensino e pesquisa internacionais.

Uma das modalidades de ação que oferece maior visibilidade e impacto social ao OCRC são as oficinas de educação e difusão oferecidas ao público externo ao ambiente universitário. Tais oficinas tem por objetivo difundir conceitos importantes a respeito da alimentação saudável, do impacto positivo proporcionado pela prática regular da atividade física e dos riscos oferecidos pelo desenvolvimento de doenças comumente associadas à obesidade. As oficinas são oferecidas mensalmente a alunos e professores do ensino fundamental e médio das escolas públicas de Campinas e Limeira e também a cidadãos da terceira idade. Ao longo de seis anos já foram executadas oficinas que envolveram a participação de mais de 100.000 pessoas. Além disso, o OCRC mantém regulamente atualizado um site que oferece matérias direcionadas ao público em geral e que orientam a respeito de atividade física, nutrição, modo de vida e riscos das doenças (sobrepeso.com.br). A importância e extensão do trabalho executado pelo OCRC está documentado no site oficial do Centro (ocrc.org.br) e pode ser medida também pelo fato de que pesquisadores do OCRC são frequentemente procurados pelos principais veículos de comunicação do país para emitir opiniões, participar de programas e apresentar resultados das pesquisas relacionadas à obesidade e suas comorbidades. As principais participações de membros do OCRC em programas e atividades da mídia estão documentados no site do OCRC.

Por trás de todas as ações e iniciativas do OCRC existe o compromisso com a sociedade, oferecendo e disponibilizando informação e conhecimento de alta qualidade para o público em geral; formando novos profissionais para contribuírem com o desenvolvimento do país e produzindo conhecimento científico que poderá, no futuro, contribuir para o desenvolvimento de novos métodos de prevenção e tratamento para obesidade e suas comorbidades.