Inteligencia artificial para tratamento de pacientes com doenças cardíacas crônicas

O Laboratório Aterolab, coordenado pelo Prof. Andrei Sposito, docente da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP e um dos pesquisadores principais do OCRC, desenvolveu uma pesquisa que utiliza inteligencia artificial para desenvolver um modelo que identifica pacientes com doenças coronarianas crônicas e os classifica com maior ou menor risco a eventos clínicos adversos. Esse modelo também consegue estimar os custos desses pacientes para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Além de auxiliar os médicos, a pesquisa tem o objetivo de melhorar a precisão da alta hospitalar. A partir dos resultados gerados pelo modelo é possível oferecer um tratamento mais exato para os pacientes mais graves e propiciar uma economia para os hospitais brasileiros.

A pesquisa foi apresentado no International Society for Pharmacoeconomics and Outcomes Research (ISPOR) Europe 2019, na Dinamarca, e ficou em primeiro lugar como melhor trabalho.

Veja a matéria completa no site do Jornal da Unicamp, por Edimilson Montalti

Créditos de imagem: Mário Moreira, Paulo Cavalhierii e Renan Garcia